quarta-feira, 31 de julho de 2013

Lesões Esportivas: Entorse de tornozelo e tratamento

A entorse de tornozelo esta presente nos esportes como: basquete, futebol americano, ginástica. Na maioria das vezes são comuns e podem ser administradas com simplicidade. Quando acontece a entorse precisamos agir rápido para iniciar o tratamento e amenizar a dor.
No livro de Lesões Esportivas de Webb e Garrick falando a respeito de lesões citam:
"Mesmo na ausência de um médico no local do acontecido, as lesões podem ser cuidadas tão ideal que confundam as impressões iniciais do diagnóstico."

O que quer dizer isso? Treinadores Especializados como nós, poderá avaliar a lesão e tomar as primeiras precauções como manter resfriada, comprimida, elevada e em repouso em instantes.
Falaremos das lesões esportivas agudas de tornozelo das quais 85% são distensões e destas cerca de 85% envolvem os ligamentos laterais.

HISTÓRICO E EXAME FÍSICO
CLIQUE NA IMAGEM
Anatomia superficial em que podemos observar a sensibilidade
 ao tato. Pé da frente pode-se sentir a base do 5º metatarso
 e o maléolo lateral (cor escura); Ligamentos talofibular e 
calcaneofibular (cor clara); O retináculo peroneal superior
esta localizado posteriormente ao maléolo lateral. No pé trás
 maléolo medial em escuro e o ligamento deltoide em claro.
Esse é um momento crucial, pois é necessário saber: as lesões esportivas prévias no tornozelo; como aconteceu e a percepção de gravidade da lesão; o quanto a lesão causou disfunção; e o que aconteceu no pós lesão. O exame físico inicial consiste em uma observação do local da lesão e apalpamento das estruturas lesionadas. O maléolo medial, ligamento deltoide, a base do 5º metatarso, maléolo lateral, ligamentos calcaneofibulares, ligamento talofibular anterior, tendão tibial posterior, ligamentos tibiofibulares, tendões peroniais e retináculo peroneal superior. Trocando em miúdos, vamos observar a figura e locais importantes.
Claro que isso em uma lesão esportiva que possa ser administrada sem intervenção cirúrgica e que também não seja uma fratura.

TRATAMENTO INICIAL
O tratamento urgente é no caso de lesões com complicações neurovasculares ou na pele. A imobilização com tala é utilizada em fraturas e complicações no tendão peroneal. Geralmente a imobilização de outros tipos de lesões no tornozelo raramente são indicadas.
Importante praticar o repouso, gelo, compressão e elevação (RGCE) em todos os casos. Isso significa que no repouso se evita apoiar com o membro lesionado. Se possível usar até muleta. O Gelo é aplicação no local, em um saco plástico, durante 20 minutos de 4 horas em 4 horas. Esse tratamento com gelo é utilizado até que o inchaço estabilize. Quando não for necessário a imobilização, a compressão é obtida por aquelas meias de compressão. A elevação é feita com o membro lesionado acima da linha de cintura. A elevação e a compressão continuam até que o inchaço se resolva.

REABILITAÇÃO
A reabilitação começa no tratamento inicial e continua até que esteja completamente recuperado. As ações tomadas até agora são para alcançar os objetivos:

PREVENÇÃO DO INCHAÇO: Foram analisadas anteriormente.


REDUÇÃO DO INCHAÇO: ações como
repouso relativo, elevação, compressão e banhos de contraste com exercícios de alcance de movimento na fase do quente até a redução do inchaço.

RESTABELECIMENTO DOS MOVIMENTOS: logo após a estabilização do inchaço ou término da imobilização são introduzidos exercícios de alcance como: escrever o alfabeto na imaginação movimento o pé.

RESTABELECIMENTO E MANUTENÇÃO DE FORÇA: Assim que a estabilização do inchaço ou término da imobilização, as providencias para manutenção ou ganho de força são iniciadas. A utilização de Theraband como implemento de resistência é ótimo. Fazer os exercícios em progressão. Quando fizer facilmente 3 séries de 20 pode-se incluir os exercícios de propriocepção.

RESTABELECIMENTO DA PROPRIOCEPÇÃO: inicia-se com exercícios proprioceptivos leve e vai progredindo na medida que os movimentos e força são adquiridos e conforme a tolerância.

MANUTENÇÃO DO CONDICIONAMENTO: A resistência pode ser melhorada com natação ou cicloergometro. A força dos membros não envolvidos podem ser treinados com pesos.

Mesmo com todos esses cuidados é sujeita uma nova lesão esportiva ou não esportiva ocorrer. Portanto mesmo após o retorno as atividades normal, continue fortalecendo o tornozelo. A utilização de faixas e tornozeleiras resultam em perda gradativa da força e retorno dos sintomas.

Portanto procure um médico logo após ter acontecido a situação da lesão esportiva e agora pode argumentar melhor facilitando o trabalho dele e sua recuperação principalmente.

FONTE:


GARRICK, J. WEBB, D. Lesões Esportivas - Diagnósticos e Administração. 2 edição. Ed. Roca, 2001


domingo, 28 de julho de 2013

Pliometria | Desenvolvimento Máximo da Potência

como fazer para pular mais alto
Os resultados do treinamento de impulsão são em longo prazo.
Um atleta para desfrutar de todos as vantagens de músculos potentes deve treinar durante 8 anos em um planejamento de longo prazo. O treinador tem a necessidade de estabilizar uma lista de exercícios de pliometria em progressão. Os planejamentos em longo prazo precisam de certos ajustes, contudo a fiel prática dos exercícios propostos trará resultados surpreendentes.
A progressão dos exercícios da lista abaixo é do simples para o complexo, do baixo impacto para o salto reativo. Lógico que em alguns casos tanto a maturação e idade, quanto a especificidade de cada esporte e o nível de experiência no treinamento de potência podem alterar o estímulo oferecido. 
A tabela tem a relação da idade com a intensidade e exercícios oferecidos. Devemos levar em conta o histórico do atleta para localiza-lo na fase correta. O mais importante é a quantidade de tempo que desenvolve esse tipo de treinamento.
O treinador deve agora decidir quando começar e qual a distribuição dos exercícios. A paciência deve andar de mãos dadas com as intenções do treinador, pois somente assim produzirá atletas sem lesão.
Pessoalmente apliquei essa lista em muitos atletas que treinaram comigo e o resultado é impressionante. Garotos que começaram o treinamento com 16 anos e  agora com 21 anos de idade apresenta um nível de potência acima da média.

Exercícios para aumentar a impulsão
Tabela modificada do BOMPA (2001)

FONTE:
BOMPA, T. O., 1932. Treinamento de Potência para o Esporte: Pliomeria para o desenvolvimento máximo de potência. São Paulo. Ed Phorte, 2004 il.

quarta-feira, 24 de julho de 2013

Lesão - Tendinite é uma lesão por uso excessivo

A administração de lesão por uso excessivo é um problema difundido na medicina esportiva. Em estatísticas, a lesão de uso excessivo supera as lesões agudas. A lesão de uso excessivo não são incapacitantes, de imediato e portanto chamam menos a atenção dos médicos, preparadores e treinadores, assim como os atletas escondem mais. 
O tratamento de lesão de uso excessivo é dificultada por vários fatores. Desde a percepção da comissão técnica até os atletas levarem a sério e comunicar a pequena lesão.


ETIOLOGIA
São quase sempre consequência de mudança. Essas mudanças podem ocorrer em três áreas gerais: atleta, ambiente e as atividades. Essas mudanças repassam desde vestuários e equipamentos impróprios até mudanças no ambiente pessoal do atleta como aumentar a quantidade de arremessos e ainda passar por um momento na escola de escrever em demasia. 
Fique atento! O inchaço, aumento da temperatura e vermelhidão se encontram nos casos de tendinite. Mas se já esta na situação de uma lesão de uso excessivo preste atenção nos itens a seguir para orientar melhor seu médico ou fisioterapeuta.

FISIOPATOLOGIA
Primeiramente deve-se entender como aconteceu a lesão. Nesse tipo de lesão o maior responsável para o tratamento da lesão são os próprios lesionados. A prevenção da recorrência é o aspecto mais importante na administração de lesões por uso excessivo.
Em geral as lesões de uso excessivo comprometem osso, ligamentos e unidades musculotendinosas. A maior parte dessas lesões são musculotendinosas. Os atletas sentem os músculos contraídos e doloridos. Essa fadiga muscular é frequentemente causado por falta de força ou resistência. Uma vez retesado a tendencia é comprometer outras estruturas. 
Após a lesão o músculo parece proteger a lesão para atender as exigências do movimento, assim se tornando fraco. Quando for novamente recrutado no mesmo movimento a recorrência da lesão acontecerá mais facilmente. O ciclo excesso de uso - dor - falta de uso - fraqueza - mais uso excessivo repete-se até que seja interrompido por intervenção ativa.

TRATAMENTO INICIAL
A primeira urgência é administrar o alívio dos sintomas. O repouso relativo, quero dizer relativo, o membro lesionado fica em repouso enquanto o resto do corpo continua em movimento. Outros mecanismos é a administração de gelo 20 minutos de 4 em 4 horas com leve compressão ,ultra sonografias, medicamentos anti-inflamatórios não esteroides.

TRATAMENTO DEFINITIVO
Geralmente esse tipo de lesão trata-se com repouso relativo, seguido de um retorno gradativo, sem dores a atividade atlética. A retomada definitiva acontece quando a força normal é adquirida, além da flexibilidade for reconquistada. O programa de alongamento e fortalecimento são utilizados para a preparação de um retorno adequado. Somente será tratado definitivamente quando a causa da lesão original tenha sido identificada de modo a prevenir a volta no futuro.

FONTE:
GARRICK, J. WEBB, D. Lesões Esportivas - Diagnósticos e Administração. 2 edição. Ed. Roca, 2001

terça-feira, 23 de julho de 2013

Musculação | ganhe um corpo de lutador de MMA





O pessoal que anda procurando um treino para dar uma secada, ganhar resistência e turbinar o fôlego encontrou. Os caras do MMA necessitam de muita resistência, força e flexibilidade para enfrentar a batalha no octogon. Então Façam gradualmente o programa e sentiram a diferença após 8 semanas.

1 PULE CORDA PARA SECAR (pernas e core) - ache o ritmo da corda com os saltos. Salte baixinho. Ótimo exercício para agilidade, trabalho com os pés e pliométrico. Faça os saltos com dois e um pé. Alterne!

2 BARRA FIXA (bíceps, costa e abdômen)- Agora sim! Comece com os braços estendidos e faça força. Não precisa se matar. É o peso do seu corpo. Conforme exercitar ganhará força e perderá peso. Só não pode desistir.

3 FLEXÃO COM HALTER (peito, costas e braços) - segure um halter com cada mão e faça a flexão de braço (apoio). Quando estiver no ponto mais alto puxe um halter, fazendo um serrote, coloque no chão novamente e repita o apoio e o serrote do outro lado. Na hora da remada mantenha o core firme sem girar o tronco para levantar o peso.

4 CORE (abdomen, flexores do quadril e lombar) - deite com os braços e pernas estendidos. Segure um peso. Em um só movimento levante as pernas sem flexona-las, suba o tronco e leve o peso na canela. Seu corpo forma um V. Retorne. Quem sabe se iguala a Bruce Lee que ficava 30 segundos ou mais nessa posição.

5 AGACHAMENTO (pernas e glúteos) - segure um halter em cada mão, com os braços estendidos ao lado do corpo. Agache! no meio do caminho salte o mais alto possível e retorne ao solo amortecendo o impacto. Repita novamente. É um ótimo exercício, mas deve ter bastante cuidado com as costas retas, olhando para frente e aterrizando com leveza. O segredo é não abusar do peso.

6 CONTRAIA TUDO - segure uma bola pesada de 3 a 4 kg acima da cabeça. Abaixe e jogue a bola para o chão com força. Segure depois de quicar e repita novamente. Vai trabalhar o corpo inteiro e também a coordenação e potência.












7 GANHE BRAÇOS DE AÇO (peito, ombro e tríceps) - Comece com o peito encostado no chão e realize um apoio de braço saltando. Garanta uma aterrissagem macia e repita o movimento novamente. A potência desenvolvida trás como benefícios estéticos a tensão muscular. A aparência fica como se estiver contraindo o tempo todo.    












8 AFUNDO (pernas e glúteos) - Coloque um pé a frente e o outro atras em posição de afundo. Com a mão na cintura desça até o joelho de trás quase encostar no chão e salte o mais alto que conseguir trocando a posição das pernas antes de aterrissar. Ótimo para corredores, saltadores, skate e surf.

Veja a progressão do treinamento clicando aqui.

sábado, 20 de julho de 2013

Brasília Basquete: UnB estréia na BRABA com vitória



A equipe de basquetebol masculino da Universidade de Brasília estréia bem com a fortíssima equipe do Ceub universitário. O jogo aconteceu no ginásio da ASCEB fechando a primeira rodada do Campeonato de Basquetebol adulto de Brasilia-DF, com o nome de BRASILIA BASQUETE - BRABA.
O Clube de Basquetebol da UnB - ACB começou bem o jogo e terminou o 2º quarto com a parcial 25 x 27 para o CEUB. No 3º quarto a equipe da UnB ficou mais passiva no jogo o que possibilitou a arrancada da outra equipe e um placar de 32 x 43. Durante o 4º o time da UnB reagiu e fechou o jogo em 53 x 49.
Uma característica marcante da UnB é o modo como gosta do jogo na defesa. Esses meninos são disciplinados no treinamento. Gostam de treinar para melhorar as falhas e melhorar as qualidades. Eles estão me ensinando um tanto de basquete no derradeiro ano. Tenho a agradecer.
Esse ano a BRABA tem 16 equipes, recorde no campeonato  adulto do basquete de brasília. Desejo um ótimo campeonato a todos e que façamos desse projeto algo que possamos ter honra em participar. Parabéns a organização da BRABA, aos árbitros, companheiros das outras equipes e a equipe toda da UnB.
o

domingo, 7 de julho de 2013

Basketball | 28 Dicas para aperfeiçoar as habilidades ofensivas

As habilidades ofensivas no basquetebol são mais amplas que o desenvolvimento de técnicas básicas (fundamentos) e táticas experts. O lado psicológico do jogo em questão de inteligência forma uma base para todas essas habilidades técnicas e táticas. Portanto fique atento a essas dicas:

  1. Jogue esperto! Entender e saber o que o técnico procura;
  2. Jogue Generoso! Sempre passar para um jogador aberto e não forçar arremessos;
  3. Proteja a bola de basquete. Maneje a bola com objetivo. Evite erros;
  4. Faça passes seguros e fáceis. Não force passes. Todo passe não tem que liderar o placar;
  5. Passe a bola para fora da defesa. Sempre saber onde a defesa esta e passar para fora dela. Use as duas mãos como recebedor de passe;
  6. Jogo com o controle. Não pense no que você quer fazer. Leia os números e faça o que a defesa permitir você organizar e controlar é o que interessa;
  7. Seja paciente. Não jogue rápido! Uma boa regra para lembrar é a velocidade, mas não a pressa. Não é o quão rápido você vai e sim o que você faz em velocidade;
  8. Não force arremessos! Passe a bola quando você estiver bem marcado;
  9. Drible a bola de basquete com a cabeça alta e veja a quadra;
  10. Drible a bola para todos os lados. O jogador de basquete deve atacar os espaços na defesa. Sem dribles desnecessários;
  11. Sempre saiba o tempo e o placar;
  12. Mantenha espaço apropriado de 4 a 6 metros. O espaço é ataque e ataque é espaço. Mantenha o ataque alto (acima do lance livre) e aberto. Os jogadores do perímetro ficariam acima da linha de 3pts da NBA, exceto é claro quando o jogador executar cortes ou oportunidades de corta-luz;
  13. Faça passes. Como uma regra geral, Nossa equipe de ataque na quadra faz pelo menos três (03) passes antes da tentativa de arremesso, exceto em uma oportunidade de bandeja;
  14. Receba e encare. No 5x5, queremos nossos jogadores recebendo a bola e encarando a cesta na posição de tríplice ameaça. A base de ataque permite nosso jogadores ver toda a quadra e ler a defesa;
  15. Sempre procure ir dentro primeiro, antes de um arremesso de fora! Nosso primeiro objetivo todo ataque é ir lá dentro do garrafão. Nos gostamos que nosso pivô encoste na bola antes dos arremessos serem dados;
  16. Use o jump-stop na área do pivô. Mantenha a bola a baixo do queixo, com os cotovelos abertos;
  17. Sempre procure penetrar driblando até os cotovelos. Nós adoramos jogar ofensivamente nos cotovelos (jump stop, corta e passa para fora ou para dentro);
  18. Receba faltas. Para ganhar grandes jogos , você precisa ir a linha de lance livre e deve fazer os arremessos. Grandes jogadores vão ao lance-livre de 7 a 8 vezes por jogo;
  19. Comunicação em todos os corta-luz. Levante sua mão fraca para o driblador saber que você está indo fazer um corta-luz para ele. Como você define um corta-luz, chame o nome de seu companheiro de equipe;
  20. Definir corta-luz resistentes e rígidos. Defina seu corta-luz em números do defensor (headhunt). O jogador do corta-luz deve permanecer em uma posição estacionária para uma contagem de dois segundos;
  21. Sempre que receber o corta-luz atrasado tela final - Espere! Espere! Espere! Aguarde até que o jogador do corta-luz faça o jump stop e diga o seu nome antes de começar o corte em V para conseguir abrir;
  22. Leia a defesa. Pense antes de mover-se. Tente tirar proveito do que a defesa lhe dá. Nosso cortador e jogador do corta-luz deve concentrar-se em seu defensor e não somente na bola. Cortadores devem sempre fazer seus cortes distantes de seu defensor e "mover-se com um propósito."
  23. Mover-se para ser um grande receptor de passe! Como um receptor de passe, você deve sempre ir de encontro com a bola no passe, mostrar o alvo com a mão e chamar "BOLA"; 
  24. Corte Backdoor quando a defesa tiver na linha do passe. Quando o defensor tem um pé e mão na linha do passe para negar a recepção da bola, mudar de direção e fazer um corte por trás do defensor em direção a cesta com a mão em alvo;
  25. Fintar o passe para fazer o passe e olhar para usar um falso arremesso antes de drible;
  26. Reconhecer (crédito) a quem passou sem egoismo levando a cesta. "Ponto para ele," o cara da assistência. Deixe que os fãs saibam quem fez o jogo.
  27. Ataque as tabelas de ataque. Jogadores # 3, # 4 e # 5 devem travar as batalhas do rebote ofensivo, enquanto os jogadores # 1 e # 2 correm de volta para impedir o contra-ataque;
  28. Rebote ofensivo. Queremos que o nosso arremessador sempre siga o arremesso com as mãos para cima. Nossos outros jogadores (# 3, # 4 e # 5) são responsáveis ​​pela rebotes do lado fraco. A maioria dos rebotes (75%) são pegados do lado fraco da cesta. Jogadores # 1 e # 2 lutam de volta ao meio da quadra para parar os nossos adversários no contra-ataque... Não a cestas fáceis!