sexta-feira, 29 de julho de 2011

Construindo a Defesa Individual (Parte I)

Tenho feito muita pesquisa sobre como os técnicos de alto rendimento do Brasil e do mundo constroem suas defesas individuais e o que tenho encontrado é uma preocupação constante com a definição de regras defensivas, responsabilidades para os jogadores e o treinamento diário. Outro ponto interessante é a preocupação no desenvolvimento do jogo 1x1. O jogador da defesa deve ter a responsabilidade de conter o jogador de ataque, com a bola, pelo menos 1,5 m para cada lado, assim o sistema defensivo não fica sobrecarregado, expondo suas estratégias para a outra equipe.
Coach Ettore Messina
Com o objetivo de compartilhar o conhecimento das pesquisas, possibilitar a troca de experiências entre nossos leitores e motivar o desenvolvimento de sua própria defesa individual tentarei expor as idéias dos coachs pesquisados, deixando para discutir opiniões nos comentários com nossos colegas, tornando o mais fidedigno possível o conhecimento aqui mostrado.

Começaremos a Série  Construindo a Defesa Individual, com uma visão européia do basquetebol, formulada pelo coach Ettore Messina, que até a edição da revista tinha vencido 3 campeonatos italianos, 02 Euroliga e 01 Copa das Copas. Com o time Italiano ganhou medalha de ouro nos jogos Mediterrâneo e prata nos Jogos Goodwill e no Campeonato Europeu disputado em Barcelona. Participa do artigo, o coach Emanuele Molin.

Coach Emanuele Molin
Um bom ataque tem que estar preparado para bater a defesa, especialmente em situações de 1x1 e 2x2. Deve saber também como a defesa do lado fraco se movimenta para reagir nas jogadas para esse lado. O movimento de bola ágil e o correto espaço entre os jogadores de ataque na quadra são problemas enfrentados pela defesa. Já no lado forte, a defesa deve trabalhar muito forte em situações de 1x1, como no estabelecimento de corta-luz por jogadores do perímetro para os pivôs (esperando um "mismatch*" defensiva) e situações de pick n' roll. Por todas essa razões, a defesa deve estar bem preparada para efetuar a ajuda e rotação defensiva no lado fraco.
O principal ponto que a defesa deve perseguir nestas situações é forçar e limitar as opções de ataque 1x1 e 2x2. Todos os passes para a infiltração devem ser negados. Existem passes diretamente para a área do pivô ou passes para as laterais que devem conduzir a passes para um pivô. A equipe de ataque quer manter o trabalho no lado fraco porque há várias opções, incluindo infiltração e passe fora para arremesso; 1x1 com o defensor na situação de ajuda-recuperação; Situações de jogo com o pivô estabelecido; vantagens de espaços e movimentos de bola; e segunda tentativa após rebote ofensivo.
Fonte: bleachereport.com
O melhor jeito de oferecer um consistente time defensivo é enfatizar a defesa 1x1. Essas estratégias defensivas colocam todas as responsabilidades no jogador trabalhar para impedir o jogador de ataque com bola, nos passes e nas tentativas de infiltrações para cesta. Assim facilita para o coach detectar erros defensivos quando uma cesta for marcada e notar qual jogador errou.
Desde que haja responsabilidades individuais defensivas, o coach saberá então qual a sugestão para um jogador em particular, sobre como reagir durante momentos cruciais do jogo. Sessões de treinamentos diários deveriam ser guiados em direção de melhorar as técnicas defensivas individuais de seus jogadores e fortalecer o aprendizado de antecipação de movimentos de ataque, juntos, como defensores individuais e como um membro do trabalho em equipe juntos na defesa. 
* Mismatch - Desvantagem; troca de defesa onde há desvantagem física entre os jogadores envolvidos.


Série de exercícios
Diag. 1
1. Defesa no passo cruzado - o jogador de ataque passa a bola para o coach e segue o passe, recebe um passe com a mão de fora e então faz um forte corte cruzado em drible. Para evitar ser batido nessa jogada, o jogador de defesa deve fazer um stepback (passo de recuo), no mesmo instante em que deslocar lateralmente, a fim de manter o corpo entre a bola e a cesta (Diag. 1).


REGRA I: QUANDO O JOGADOR DE DEFESA TEM SEU PEITO ENTRE A BOLA E A CESTA, COACH MESSINA CHAMA DE "MAKE A WALL".


2. Mova com a bola no ar - Esse exercício tem a ênfase no posicionamento defensivo do jogador com a bola, bem como no deslizamento que precisa ser feito, tudo baseado no movimento da bola.
Quando a bola esta mudando de lado e quando esta na mão do atacante, Coach Messina cansa de treinar a importância da reação e correção do posicionamento do corpo do jogador de defesa, que de novo esta relacionado com movimento da bola.
 
Diag. 3
   
Diag. 2
Nesse intuito, o jogador estará preparado para fazer a recuperação  defensiva na bola. O jogador de defesa deve pensar nos seus pés, analisar e antecipar as várias situações de ataque. Ele tem que aprender a aumentar a pressão defensiva quando o jogador quiser passar a bola e ligeiramente diminuir a pressão quando ele quiser começar a driblar.



3. 1x1 + 1 dinâmico: A recuperação - O diagrama 4 e 5 o coach finta a infiltração por drible na situação 1x1 e passa a bola para o lado fraco. O defensor e o atacante reagem com essa situação jogando 1x1 sem a bola.
Diag. 5
Diag. 4
Durante o passe, o jogador de defesa, enquanto recupera, muda sua posição de lado fraco para lado forte cercando agora o jogador da bola. Enquanto o jogador  de defesa esta recuperando, ele deveria chegar com a posição defensiva baixa, com passos rápidos (metralhadora), fintando ir em direção a bola com suas mãos: o objetivo é para não permitir tomar um arremesso. Imediatamente depois, ele deveria reagir com um saltito para trás com os dois pés ao mesmo tempo, parando a possível infiltração com drible. e forçando o jogador em direção a linha de fundo (não permitir infiltração alguma pelo meio da quadra). 


REGRA II - FORÇAR O ATAQUE PARA FORA DE POSIÇÕES USUAIS, PRESSIONANDO A BOLA E ANTECIPANDO TODOS OS PASSES. 


Diag. 6
No lado forte, a defesa deve antecipar de tal modo que force os jogadores de ataque receber a bola nas posições onde eles são menos perigosos ofensivamente (Diag. 6). Nesse caso a defesa deve diminuir a velocidade do movimento da bola sem com isso abrir a base defensiva (sem sucesso de roubo de bola) e ser batido pelo corte backdoor


No lado fraco, o defensor deve posicionar seu corpo de tal maneira que ele intercepte possíveis passes (Diag. 7), mas que ao mesmo tempo, sempre ter certeza de ver seu homem e a bola.

Diag. 7

  
Diag. 8
Na infiltração com drible (Diag. 8), a defesa deve adaptar sua base e como a bola esta próxima, ele dará um passo extra no corredor (preparado para um ajuda defensiva). É crucial nesta situação dinâmica que o jogador de defesa fique na linha do passe para manter a bola e o jogador de ataque fora de ação. As equipes de Messina chamam isto de "fique na linha do passe", como um jeito de lembrar os jogadores que eles não podem antecipar ao menos que haja uma pressão na bola. Aqui alguns exercícios que os coach's italianos usam para ensinar as fases da defesa.

4. 3x3 defesa ziper - Nas situações de 3x3 (Diag. 9), o coach começa com a bola, finge uma situação de 1x1, usando a infiltração com drible.
  
Diag.10
Diag. 9
Os defensores do lado fracodevem então adaptar suas posições e proteger o garrafão, sem perder de vista seus correspondentes jogadores de ataque (Diag. 10). Quando o coach passa a bola para fora, os defensores fazem a recuperação defensiva (no Programa de Basquetebol da UnB chamamos de aproximação defensiva) nos seus jogadores de ataque, contendo a potencial linha de passe. Uma vez que os jogadores de ataque recebem a bola do coach, eles jogam 3x3.

Diacg. 11
Diag. 12
5. 3x3 Aparecer a bola - Esse exercício é similar ao anterior, com exceção que o coach começa no lado fraco (Diag. 11). O jogador de ataque com a bola, junto com um jogador de defesa nele, infiltra com drible. Quando esse movimento começar, os outros dois defensores deslizam até a linha de ajuda. Quando o jogador de ataque passar a bola para o coach, que esta posicionado no centro, os três jogadores de defesa então deslizam em direção a bola, contendo a posição de linha de passe. (Diag. 12). Deve ser notado que isto é naturalmente uma situação mais resistente que os jogadores encontrarão em um jogo, onde um passe dessa posição para o centro da quadra é contestado.

 
Diag.14


  
Diag.13
6. 3x3: Pulo para a bola - Como visto no diagrama 13 e 14, este exercício é feito para uma sequência de cortes e posições, onde os defensores mudam suas posições, indo do lado fraco para o lado forte da quadra.
O objetivo do exercício é ensinar o defensor a fechar quando a bola esta perto da cesta (com o passe), e então abrir quando a bola é passada para fora, mas sempre mantendo a pressão na linha do passe.



REGRA III - DEFENDER, PREVENIR ARREMESSOS DE DENTRO DO GARRAFÃO E CONTROLAR OS REBOTES DEFENSIVOS.

Para realizar estas dicas, você não vai somente contestar os jogadores de ataque posicionado no poste baixo; parar infiltrações com drible e lotar o garrafão, mas você também precisa entender o ataque do outro time e fazer as propostas defensivas de correspondência (se pressiona mais um jogador; flutua mais em outro etc). Os técnicos italianos propõe sempre o controle do centro do garrafão e ajudam os jogadores a escolher a tática defensiva mais apropriada para defender uma ou mais séries de ataques, que tentam traze-los para fora do garrafão com o pick n' roll.
Não esqueçam que desenvolver as habilidades defensivas individuais pode ser garantido em treinamentos diários.

O importante é garantir o entendimento das regras defensivas pelos jogadores. Portanto a prática regular diária fará com que eles saibam exatamente o que eles precisam fazer durante os jogos. O registro das regras defensivas e afixação em locais de grande circulação pelos jogadores motivam para a execução do combinado.
Semana que vem postaremos mais uma visão sobre defesa individual. Espero que seja útil em seu aprendizado.

Abraço a todos,

Conheça mais sobre Coach Messina e Emanuele Molin


Fonte: 
FIBA Magazine, 02 2003.
Basketblog.es
Euroligue.net

      sexta-feira, 15 de julho de 2011

      Bolsa-Atleta Universitário | Esporte Universitário | Clube de Basquete


      Da esquerda para direita: 
      Prof. Dr. Miguel (relator FAU), Mel (DCE),
      Diretora de Esporte, Arte e Cultura
      Prof. Ms Lucila Rondon de Andrade (DEA), 
      Decano de Assuntos Comunitários
      Prof. Dr.Eduardo Raupp (DAC),
       Prof. Carlos Gomes (DEA) e Luana (DCE)
      É uma honra ser da equipe da UnB. Muito trabalho da equipe da Diretoria de Esporte, Arte e Cultura-DEA, uma equipe dedicada e visionária, que desde 2009 vem restruturando o esporte universitário da UnB. Hoje participei de uma reunião da Câmara de Assuntos Comunitários, aberta ao público, onde a prática da democracia se faz justa e precisa. Professores, estudantes e funcionários interagem e decidem, através de relatores e pareceres, projetos, programas e ideias sobre o  desenvolvimento social, saúde, a nossa comunidade universitária e o nosso famigerado esporte. Famigerado, pois já revelou inúmeros atletas e dirigentes para o cenário nacional a citar: Paulo Bassul (basquete), Camila Carvalho (Remo), Carolina (polo aquático), David Pedroza (Judô) dentre muitos outros.
      Momento de um tanto de honra para o esporte universitário. A UnB conquistou mais uma vitória no esporte. O esperado Programa de Bolsa Atleta Universitário foi aprovado por unanimidade na Câmara de Assuntos Comunitários. 
      A primeira Universidade Pública do Brasil a instituir um Programa Bolsa-Atleta Universitário visando auxiliar os estudantes-atletas, financeiramente, a custear os gastos individuais do esporte de rendimento. Os estudantes-atletas receberão uma bolsa no valor de R$ 360,00 para auxiliar na continuidade de seu desenvolvimento esportivo ao longo de sua vida acadêmica, podendo ao final do processo universitário, poderem decidir, também, pela profissionalização esportiva.

      Parabéns UnB! Espero que possamos incentivar outras Universidades Federais a desenvolverem seu próprio Programa Bolsa Atleta Universitário e assim oferecer a oportunidade de mais estudantes-atletas continuarem seu desenvolvimento esportivo.